Porto Alegre,
 
        
 
       
Artigos
Assembleia Legislativa
CANOAS
Famurs
FECOMÉRCIO
Governo do Estado
GRAVATAÍ
OAB
SIMERS
SISTEMA OCERGS/SESCOOP
VENÂNCIO AIRES
 



 
  
 
 
06/12/2021

De  acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores Gaúchos, de novembro, o número de famílias gaúchas endividadas segue aumentando no Rio Grande do Sul. Divulgada pela Fecomércio-RS nesta segunda-feira, dia 06, a pesquisa aponta para um percentual de famílias endividadas no RS de 86,1%. Se comparado com novembro do ano passado, quando o percentual era de 71,7%, houve aumento. Entre todas as famílias, apesar de em alta recente, 16,0% delas se consideravam como muito endividadas.

Nesta edição da pesquisa, o percentual de famílias gaúchas que possuía algum tipo de conta em atraso correspondeu a 25,3%. Esse percentual, no mês anterior, foi de 24,2% e em novembro de 2020, de 28,0%. As famílias que recebem menos de dez salários mínimos têm influenciado para o aumento do indicador. Em novembro, 30,5% relataram esta condição, ao passo que no mês anterior 29,1% se enquadravam neste aspecto. Já nas famílias que recebem mais de dez salários mínimos mensal, apenas 6,4% possuíam contas em atraso, mesmo valor do mês anterior. O percentual de famílias que não terão condição de quitar suas dívidas dentro dos próximos 30 dias foi de 2,7%.

Segundo o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, esse resultado não só representou uma queda em relação ao mês anterior, como também é o menor patamar histórico para o indicador. Ele afirmou que, ainda que alto, o número de famílias endividadas segue acompanhado por indicadores de inadimplência controlados, mas que diante de uma conjuntura marcada pela atividade econômica perdendo tração, inflação alta e juros se elevando, possui riscos que podem ocasionar a alta desses indicadores nos próximos meses. “O percentual de famílias que se consideram muito endividadas continua baixo, mas a pressão dos juros mais altos e da inflação podem elevar a inadimplência nos próximos meses. Precisamos observar com atenção”, comentou o presidente da Fecomércio-RS.

Texto e foto: Ascom Fecomércio

 
Institucional | Anuncie Aqui | Edições Anteriores | Assine