Porto Alegre,
 
        
 
       
Artigos
Assembleia Legislativa
CANOAS
Famurs
FECOMÉRCIO
Governo do Estado
GRAVATAÍ
OAB
SIMERS
SISTEMA OCERGS/SESCOOP
VENÂNCIO AIRES
 



 
  
 
 
02/06/2021

As  356.500 doses da Astrazeneca/Fiocruz enviadas ao RS na tarde desta quarta-feira (2/6), somadas às 38.610 vacinas da Pfizer previstas para chegar às 14h de quinta-feira (3/6), serão utilizadas para completar a vacinação dos trabalhadores portuários e pessoas com comorbidades, para avançar na imunização dos deficientes permanentes e para deflagrar, em instância de pactuação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), a vacinação dos trabalhadores da educação no Estado. As secretárias da Saúde, Arita Bergmann, e da Educação, Raquel Teixeira, participaram da reunião com o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems/RS) que definiu a destinação das doses.

"Considerando os trabalhadores da educação já vacinados em diversos municípios, que somam cerca de 66 mil no Estado, mais o quantitativo de quase 30 mil doses que iremos distribuir agora, vamos alcançar praticamente a metade (49%) desse público prioritário, que tem cerca de 190 mil pessoas no RS, segundo a estimativa do Ministério da Saúde", afirma Arita.

A secretária Raquel entende que a vacinação dos trabalhadores da área da educação, além de imprescindível, "trará serenidade e mais segurança no retorno às aulas no Estado". Devem se vacinar, em ordem de prioridade, trabalhadores de creches, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA e trabalhadores da educação do ensino superior.


Municípios que conseguirem finalizar a imunização dos grupos das comorbidades, gestantes e puérperas com comorbidades e pessoas em situação de rua, funcionários do Sistema de Privação de Liberdade e população privada de liberdade e trabalhadores da educação podem seguir avançando na lista de prioridades, com o acréscimo, de forma concomitante, da vacinação por idade da população em geral (59 a 18 anos).

Outra definição da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) na reunião desta quarta (2), após relatos de mortes de hipertensos não vacinados informadas por secretários municipais, foi a liberação da vacinação dos hipertensos leves. "Agora não precisa mais ser hipertenso grave para ter direito à vacina. Para se imunizar, a pessoa precisa levar ao posto um receituário que indique que tem hipertensão, apenas isso", afirma a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Cynthia Molina Bastos.

A distribuição das vacinas Astrazeneca e Pfizer às 18 coordenadorias regionais de saúde (CRS), que encaminham as doses aos municípios, será realizada na sexta-feira (4/6).


 
Institucional | Anuncie Aqui | Edições Anteriores | Assine