Porto Alegre,
 
        
 
       
Artigos
Assembleia Legislativa
CANOAS
Famurs
FECOMÉRCIO
Governo do Estado
GRAVATAÍ
OAB
SIMERS
SISTEMA OCERGS/SESCOOP
VENÂNCIO AIRES
 



 
  
 
 
03/05/2021

Passava um  pouco das 14h quando cheguei à Vila Laranjeiras no dia 27 de janeiro. A visita havia sido marcada uma semana antes. Duas vereadoras de Porto Alegre queriam que eu fosse até a região para ver in loco os problemas de inundação e alagamento que os moradores enfrentavam.

Enquanto eu me deslocava da sede da secretaria, no bairro Santana, até a Laranjeiras, que fica no Morro Santana, o tempo fechou e a chuva começou. Ela veio de maneira mais torrencial exatamente quando entrávamos na vila. Em minutos eu vi ruas, pátios e casas alagadas. Vi uma espécie de arroio que passa na porta de uma casa. Vi um assoalho cedendo porque resolvemos entrar para ver o estado de uma casa de madeira.

Com sol, eu apenas teria uma projeção do tamanho dos problemas. Com aquela chuva, eles saltaram aos olhos nos meus primeiros minutos na Vila Laranjeiras. Isso tem acontecido em cada visita que eu e nossa equipe fazemos. As tabelas, os cadastros e os números são, na ponta, gente. São pessoas humildes, muitas vivendo em situações de extrema vulnerabilidade e miséria. Elas formam o público da Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária (SMHARF) e do Departamento Municipal de Habitação (Demhab). Nós existimos para melhorar a vida delas.

Em 47 dias de trabalho, até 17 de fevereiro, tive 36 agendas externas. Dessas, 25 em comunidades, ocupações, loteamentos, empreendimentos habitacionais, áreas de risco.

Até 60 dias atrás eu não imaginaria que hoje, em meados de fevereiro, pelo menos 14 horas dos meus dias seriam destinadas a tratar das demandas de habitação de Porto Alegre, incluindo finais de semana e feriados. O convite do prefeito Sebastião Melo para que eu assumisse a gestão desta área faz com que eu viva, agora, o maior desafio dos meus 54 anos de vida.

Este desafio se mostra em alguns números: 484 áreas irregulares e 300 mil pessoas (apenas quatro municípios gaúchos têm população superior a este número). 118 áreas de risco e 44 mil moradores. Meta de regularizar 6 mil lotes em quatro anos.

Alguns desafios estão na nossa pauta diária já neste começo de gestão. Um deles é a finalização da desocupação da área da Vila Nazaré, na ponta leste da pista do Aeroporto Salgado Filho, para a conclusão das obras pela Fraport. Nossos compromissos, nesta pauta, são basicamente dois: dar dignidade às famílias e destiná-las a uma moradia segura, com saneamento, água, luz e segurança; e permitir que a conclusão das obras da pista do aeroporto, o que irá trazer benefícios a todo o Rio Grande do Sul.

Não vamos resolver em quatro anos todos os problemas de habitação de Porto Alegre. As demandas são complexas e a máquina pública, com suas burocracias e falta de recursos, às vezes joga contra. Nosso foco, porém, é não esmorecer um dia sequer, é buscar ferramentas inovadoras, como parcerias público-privadas também para a área da habitação. Junto com isso, um dos nossos pilares mais básicos é estarmos junto das comunidades e é, sempre, a partir de uma premissa pessoal que tenho e também de uma diretriz da gestão Sebastião Melo e Ricardo Gomes, dialogar e buscar as soluções de maneira conjunta. Sempre em frente!

ANDRÉ MACHADO
Secretário de Habitação e
Regularização Fundiária de Porto Alegre

 
Institucional | Anuncie Aqui | Edições Anteriores | Assine